terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Opeth- Porcelain Heart



Reclusa, retomo sempre e sempre reinvento o meu nada absoluto, a partir de mim própria, o que de mim oculto.

In culto, per Maria Teresa Horta

Ao nosso ósculo desatinado A. per Naiade

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Transfiguração da anam (Gaélico-alma)

No se lo digáis a nadie, sino tan sólo a los sabios, que el vulgo siempre propende a la burla
y el sarcasmo;
pero al que ansía consumirse en la llama, yo lo alabo. En el frescor de las noches amorosas,
en el trueque plácido de las caricias, al ver la vela que esplende y el cuarto alumbra
tranquila, un extraño sentimiento más de una vez te acomete. No quisieras seguir preso en la
sombra y las tinieblas, y de una vida más alta un ansia sientes violenta. Para ti no hay ya
distancias: suelto y libre alzas el vuelo hacia la llama, y al fin, igual que la mariposa, en ella
abrasas tu cuerpo. Que mientras en ti cumplido no veas el «¡Muere y transfórmate!», serás
en la oscura tierra no más que un huésped borroso que vaga entre las tinieblas.

Goethe (Trad. de R. Cansinos Asséns)

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Ser-se, sentir-se Psicólogo

Não cultivar uma psicologia de bisbilhoteiro! Nunca observar só por observar! Isso provoca uma óptica falsa, uma perspectiva vesga, algo que resulta forçado e que exagera as coisas. O ter experiências, quando é um querer-ter-experiências, — não resulta bem. Na experiência não é lícito olhar para si mesmo, todo o olhar se converte então num «mau-olhado». Um psicólogo nato guarda-se, por instinto, de ver por ver; o mesmo se pode dizer do pintor nato. Este não trabalha jamais «segundo a natureza», encomenda ao seu instinto, à sua câmara escura o crivar e exprimir o «caso», a «natureza», o «vivido»... Até à sua consciência chega só o universal, a conclusão, o resultado: não conhece esse arbitrário abstrair do caso individual. — Que é que resulta quando se procede de outro modo? Quando se cultiva, por exemplo, uma psicologia de bisbilhoteiro, à maneira dos romanciers parisienses, grandes e pequenos? Essa gente anda, por assim dizê-lo, à espreita da realidade, essa gente leva para casa cada noite um punhado de curiosidades... Porém veja-se o que acaba por sair daí — um montão de borrões, um mosaico no melhor dos casos, e de qualquer forma algo que é o resultado da soma de várias coisas, algo turbulento, de cores berrantes. O pior aqui conseguem-no os Goncourt: não juntam três frases que não causem simplesmente dano à vista, à vista do psicólogo. — A natureza, avaliada artisticamente, não é um modelo. Ela exagera, deforma, deixa vazios. A natureza é o acaso. O estudo «segundo a natureza» parece-me um mau sinal: denuncia submissão, debilidade, fatalismo, — esse jazer-no-pó ante os petits faits é indigno de um artista inteiro. Ver o que é — isso é próprio de um género distinto de espíritos, dos antiartísticos, dos homens de factos. Há que saber quem se é...

Friedrich Nietzsche, in "Crepúsculo dos Ídolos"

sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

Alvorada Sanabresa - Antigo Baile Agarrado Sinergia a 2010




Aos que bebem do folk, puro sanguis*
Aos harpistas,tocadores da ancestral clarseach, que dedilham desejos e profetizam visões*

"E este Desejar, que não acaba não, louco procurar por algo que não seja em vão!"
Dazkarieh

CHANEL no 5 - Audrey Tautou Version HQ

Billie Holiday -"I'm a Fool to Want You"

Partilha sonora*

~